HIV E AIDS - PREVENCAO

O risco de contrair o HIV varia muito, dependendo do tipo de exposição sexual. O sexo anal, que envolve a inserção do pênis no ânus, carrega o maior risco de transmissão do HIV, se uma das parcerias viver com o HIV e não estiver com carga viral indetectável. Você pode diminuir o risco de contrair e transmitir o vírus causador da aids (1) usando gel lubrificante e o preservativo peniano ou vaginal da maneira correta nas relações sexuais, (2) escolhendo práticas sexuais que ofereçam menor risco, (3) tomando a profilaxia pré-exposição (PrEP) e (4) tomando os medicamentos antirretrovirais para tratar o HIV se você já foi diagnosticado com o vírus.

O sexo anal é a prática sexual de maior risco para a transmissão do HIV. O sexo vaginal tem um risco menor, e práticas como sexo oral, toque, compartilhamento de utensílios (não inclui materiais perfuro-cortantes), masturbação a dois e relação sexual com uma pessoa com carga viral indetectável, não transmitem o HIV. 

Camisinha e

gel lubrificante

Tanto o masculino quanto o feminino são disponibilizados gratuitamente em toda rede pública de saúde e também podem ser comprados em farmácias. Caso você não encontre ou não saiba onde retirar camisinha gratuitamente, ligue para o Disque Saúde (136).

PEP - Profilaxia Pós-Exposição

 

A profilaxia pós-exposição (PEP) é um método de prevenção do HIV que consiste em tomar medicamentos antirretrovirais (medicamentos usados ​​para tratar o HIV) depois de estar potencialmente expostos ao HIV. Seja em um acidente com material perfuro-cortante ou pelo sexo. PEP deve ser usada somente em situações de emergência e deve ser iniciada dentro de até 72 horas após uma possível exposição ao HIV, mas quanto antes melhor. Os comprimidos (formados por Dolutegravir + Lamivudina + Tenofovir) devem ser tomados uma vez ao dia durante 28 dias. Quando administrada corretamente, a PEP é muito eficaz na prevenção do HIV, mas como qualquer coisa na biologia, nada é 100%. Para acessar a PEP, clique aqui e veja qual local é mais perto de você.

Tratamento como prevenção

O uso de medicamentos antirretrovirais faz com que as pessoas vivendo com HIV alcancem a chamada “carga viral indetectável”. As evidências científicas também mostram que pessoas vivendo com HIV que possuem carga viral indetectável, além de ganharem uma melhora significativa na qualidade de vida têm não transmitem o HIV para outras pessoas (PARTNER, 2015).


Outro estudo bastante respeitado e que complementa estas evidências é o OPPOSIT ATTRACT. Ele trouxe informações importantes sobre relacionamentos de casais homossexuais sorodiferentes, quando um tem HIV e o outro não.

PrEP - Profilaxia Pré-Exposição

A PrEP é a utilização do medicamento antirretroviral (Tenofovir + Entricitabina) por aqueles indivíduos que não estão infectados pelo HIV, mas se encontram em situação de elevado risco de infecção. Com o medicamento já circulante no sangue no momento do contato com o vírus, o HIV não consegue se estabelecer no organismo.

Evidências comprovaram que a PrEP se trata de uma estratégia eficaz, com mais de 90% de redução da transmissão e sem nenhuma evidência de compensação de risco, ou seja, pessoas que fazem uso da PrEP não passaram a usar menos a camisinha ou a ter mais parcerias sexuais. Pelo contrário. Se percebeu uma melhoria no uso da camisinha.


No Brasil, a PrEP começou a ser disponibilizada pelo SUS em dezembro de 2017 e está disponível em diversos serviços de saúde. Acesse aqui a lista completa dos serviços de saúde.

Redes sociais e contato

  • YouTube
  • Fanpage
  • Instagram
  • Twitter
  • WhatsApp

©2012 por Rede Mundial de Pessoas que Vivem e Convivem com HIV