Cemitério Judaico em Varsóvia | Vlog



O cemitério judaico de Varsóvia é um dos maiores cemitérios judaicos da Europa e do mundo. A necrópole foi fundada em 1806 e ocupa uma área do tamanho de 41 campos de futebol. O cemitério contém mais de 250.000 túmulos, além de valas comuns das vítimas do gueto de Varsóvia. Embora o cemitério tenha sido fechado durante a Segunda Guerra Mundial, após a guerra foi reaberto e uma pequena parte permanece ativa, servindo a população judaica existente na cidade.


Como o cemitério foi criado para substituir muitos cemitérios menores e por ser mais próximo do centro da cidade, foi projetado para servir a todas as comunidades judaicas da capital da Polônia. Ele é subdividido em vários distritos denominados bairros.


O cemitério, que se tornou uma floresta densa no período pós-guerra, está repleto de monumentos dedicados a personalidades notáveis, como políticos, líderes espirituais, inventores, economistas e outros. Muitas das lápides são simples, outras são elaboradamente esculpidas e ricamente decoradas. A lápide mais antiga foi datada de 6 de dezembro de 1806, mas não pode ser mais encontrada. Das remanescentes, a mais antiga é de uma mulher e data de 8 de setembro de 1807.


Ao contrário de outros cemitérios na Europa, todos os túmulos no cemitério estão de costas para o portão. A tradição de colocar túmulos de frente para o portão do cemitério decorre da crença de que, na futura ressurreição dos mortos, estes se levantarão e poderão sair do cemitério sem ter que se virar. No entanto, em 1819, quando um membro da comunidade foi acidentalmente enterrado com a cabeça, e não os pés, de frente para o portão do cemitério, o rabino Szlomo Zalman Lipszyc, primeiro rabino-chefe de Varsóvia, determinou que todos os enterros futuros deveriam ser feitos da mesma forma, para evitar causar constrangimento ao primeiro enterrado dessa maneira.


Durante a Segunda Guerra Mundial, o cemitério foi parcialmente demolido. As forças alemãs o usaram para execuções em massa e enterro de vítimas do gueto de Varsóvia, da revolta do gueto de Varsóvia, da revolta de Varsóvia de 1944 e outros assassinatos em massa. Esses enterros incluíam judeus e não judeus. Após a Revolta do Gueto, em 15 de maio de 1943, os alemães destruíram todos os edifícios na área do cemitério, incluindo a sinagoga e as casas funerárias. Apenas um pequeno poço sobrevive até hoje. Mais danos foram causados ​​ao cemitério durante a Revolta de Varsóvia de 1944, quando a linha de frente dos soldados passou por dentro do cemitério. Após a guerra, o cemitério foi reaberto. As autoridades polonesas planejaram uma estrada que passaria pelo meio do cemitério, mas os planos nunca foram executados.


Nos anos 1990, o cemitério abandonado começou a ser reformado pela primeira vez, desde os anos 1930, principalmente pela Comunidade Judaica de Varsóvia recriada e pela Fundação da Família Nissenbaum, bem como pelo governo municipal da cidade. O cemitério ainda está aberto, com 20 a 30 novos enterros a cada ano.


Vem comigo sentir a experiência de conhecer e desbravar uma cultura bem diferente da cristã em um país que foi devastado durante a segunda guerra mundial pelas tropas nazistas de Hitler. Este é mais um vlog da viagem à Europa no início de 2020.


FONTE

▶︎ Cemitério Judaico de Varsóvia

FALE COM A GENTE

Estamos nas redes sociais

Outras formas de contato