Estudo comprova nenhuma transmissão de soropositivos em tratamento

Atualizado: 5 de Mai de 2019


O Estudo PARTNER comprovou que ninguém com carga viral indetectável transmite o vírus HIV. Este estudo foi realizado por dois anos e contou com 767 casais heterossexuais e gays que vivem relacionamentos sorodiferentes, ou seja, quando um dos dois vive com HIV. Verificou-se que após mais de 44 mil relações sexuais desprotegidas (oral, vaginal ou anal), não houve nenhuma transmissão do vírus, desde que a pessoa vivendo com HIV (PVHIV) estivesse em tratamento, tivesse carga viral (CV) indetectável há pelo menos seis meses, boa imunidade (CD4) e não tivesse nenhuma outra infecção sexualmente transmissível (IST).


O estudo foi apresentado em 2016, na Conferência Internacional de Aids, em Durban, na África do Sul. Ele reforça a importância do tratamento anti-HIV para a PVHIV, principalmente pelo fato de trazer maior tranquilidade para que se relacionem com pessoas que não vivem com o vírus, uma vez que a transmissibilidade foi de zero.


É certo que houveram casos de soroconversão (quando uma pessoa se torna soroposithiva), porém, testes genéticos comprovaram que o vírus não era do parceiro principal que participava da pesquisa.


A análise estatística mostra que a probabilidade máxima de transmissão via sexo anal de alguém indetectável foi de 1% e de 4% para sexo anal com ejaculação, onde o parceiro HIV negativo era o passivo, porém, a verdadeira probabilidade está muito mais perto de zero do que isso.


Quando perguntada sobre o que o estudo nos diz sobre a chance de alguém com uma carga viral indetectável transmitir o HIV, a apresentadora Alison Rodger disse: "Nossa melhor estimativa é que é zero".



Para participar do estudo, os casais deveriam ter relações sexuais sem preservativos, pelo menos, algumas vezes. O parceiro HIV negativo não podia usar a profilaxia pós-exposição (PEP) ou pré exposição (PrEP) e o parceiro vivendo com HIV devia estar em terapia antirretroviral (TARV), com a carga viral mais recente abaixo de 200 cópias/ml³.


O sexo com parceiros fora do relacionamento era muito mais comum entre os homens gays, com 33% dos participantes soronegativos relatando que transaram com outros parceiros. Porém, entre os heterossexuais, cerca de 4% relataram o mesmo. Com isso, 16% dos homens gays desenvolveram outras IST, principalmente gonorreia e sífilis. Entre os heterossexuais, foram 5%.


Portanto, concluiu-se que PVHIV em TARV e com carga viral indetectável não transmitem o HIV para seus parceiros sexuais.


Fontes

1. No-one with an undetectable viral load, gay or heterosexual, transmits HIV in first two years of PARTNER study

2. ZERO: no linked HIV transmissions in PARTNER study after couples had sex 58,000 times without condoms

36,699 visualizações

Redes sociais e contato

  • YouTube
  • Fanpage
  • Instagram
  • Twitter
  • WhatsApp

©2012 por Rede Mundial de Pessoas que Vivem e Convivem com HIV